Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo!   Click to listen highlighted text! Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo! Powered By GSpeech
Recursos
KIOSK(ext)
WEBMAIL

TOP_Artigos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos - 1869 a 2019 2019 é o Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos. Uma resolução das Nações Unidas e da UNESCO…

Ler mais.....

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal - 2017     Já está disponível o novo Retrato de Portugal (versão 2017). Um resumo de indicadores desde 1960 até à atualidade, números que contam a…

Ler mais.....

Brain 3M

Brain 3M

Projeto educativo que oferece uma forma diferente de dar aulas de neuroanatomia, integrando a tecnologia. Este programa, financiado pela Universidade Estadual da Pensilvânia, conta com uma plataforma que combina diferentes…

Ler mais.....

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania Com os Guiões de Educação Género e Cidadania, pretende a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) responder à crescente e generalizada…

Ler mais.....

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória O documento, 'Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória' (ver anexos) encontra-se em consulta pública até ao dia 13 de março…

Ler mais.....

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS - IGEC A presente publicação (ou clica na imagem) pretende, partindo das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação, em cada escola, dar mais um contributo para…

Ler mais.....

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Infocurso, um site ao qual os alunos podem recorrer para conhecerem melhor o nossos ensino básico, secundário e superior. Os cursos disponíveis no ensino superior Que cursos tem cada Universidade…

Ler mais.....

Selva - o lugar de todos os animais

Selva - o lugar de todos os animais

  A Selva é uma Plataforma informativa que pretende abordar várias áreas da vida animal e das relações entre humanos e os demais animais que connosco partilham o Planeta. Entre…

Ler mais.....

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO clica na imagem UM OLHAR SOBRE AS PROFISSÕES E O EMPREGO PERANTE O IMPACTO TRANSFORMADOR DA QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Chamam-na a Quarta Revolução Industrial. E não…

Ler mais.....

Envelhecer em Portugal e na Europa

Envelhecer em Portugal e na Europa

Quanto tempo podemos esperar viver? E com que qualidade? Que problemas éticos estamos a enfrentar? Num país envelhecido como Portugal, como está a sociedade a mudar para enfrentar os desafios…

Ler mais.....

Regresso às aulas

Regresso às aulas

Regresso às aulas - estratégias para prevenir as dificuldades numa fase de transição e de adaptação na escola Para algumas crianças, setembro representa o início de mais um ano letivo,…

Ler mais.....

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames O Banco de Exames e Provas é um arquivo de todos os instrumentos de avaliação concebidos no âmbito da missão do GAVE, desde 1997. Neste…

Ler mais.....

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses - aplicativo ANDROID Aplicação sobre os Descobrimentos Portugueses, destinada aos alunos de História e Geografia de Portugal do 2º ciclo de escolaridade. Inclui 22 atividades sobre o tema…

Ler mais.....

Novas regras relativas a dados pessoais

Novas regras relativas a dados pessoais

Novas regras relativas a dados pessoais Há novos desafios na proteção de dados com a entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) em 25 de…

Ler mais.....

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa Lisboa acolhe uma grande diversidade de aves cuja beleza é reconhecidamente assinalável. Este importante grupo de espécies encontra na cidade alimentação, local de nidificação e…

Ler mais.....

As alterações climáticas

As alterações climáticas

As alterações climáticas já estão a mudar o mundo Devido ao {tip title="Efeito de estufa" content="Fenómeno natural que ocorre quando a radiação visível (V) e parte da radiação ultravioleta (UV) provenientes…

Ler mais.....

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials A Microsoft e a Code.org associaram-se novamente, para oferecerem um novo recurso gratuito para aprender a lógica da programação, seguindo a famosa metodologia dos blocos…

Ler mais.....

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal - estudo PORDATA Sabia que, desde 1993, os jovens dos 16 aos 24 anos são maioritariamente inactivos? Ou que a taxa de desemprego jovem…

Ler mais.....

O que é ser europeu?

O que é ser europeu?

O que é ser europeu? Com 512 milhões de habitantes, a União Europeia oferece direitos, garantias e oportunidades comuns aos seus cidadãos. Mas não faltam desafios...(ver anexos ou clica na…

Ler mais.....

Portugal Desigual

Portugal Desigual

  Com este site, apresenta-se uma nova análise sobre os impactos da crise económica: o estudo “Desigualdade do Rendimento e Pobreza em Portugal: Consequências Sociais do Programa de Ajustamento”, da…

Ler mais.....

User Rating: 0 / 5

User Rating: 0 / 5

Estado da Educação 2018 | edição 2019

estadoeduca2018

Relatório do Conselho Nacional de Educação (CNE), com a evolução da situação do País relativamente a um conjunto de indicadores, tendo como referência as metas da Estratégia para a Educação e Formação 2020 e os objetivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 da ONU.

As crianças portuguesas com menos de três anos passam quase 40 horas por semana com as amas, nos infantários ou creches. É um dos tempos mais elevados da Europa, cuja média é cerca de dez horas semanais a menos. Uma média de 39,1 horas em creches e 38,5 horas em jardins de infância em Portugal, quando a média na União Europeia é de 27,4 horas e 29,5 horas, respetivamente.

O sistema de ensino tem vindo a perder estudantes. O Ensino Básico perdeu mais de 150 mil alunos em dez anos, desde o ano letivo 2008/2009 até ao de 2017/2018. O 1.º Ciclo é o mais atingido com uma diminuição de 18% do número de alunos, seguindo-se o 2.º Ciclo com 17% e o 3.º Ciclo com menos 9,6%. As retenções também continuam a baixar, o 3.º e o 8.º anos de escolaridade são a exceção, em todos os outros anos e níveis de ensino houve menos chumbos registados. Contudo, o número de alunos com dois ou mais anos de desfasamento permanece bastante elevado. São 10 527 no 1.º Ciclo, 18 224 no 2.º e 37 253 no 3.º.

O retrato do corpo docente confirma o envelhecimento da classe, questão para a qual o CNE tem vindo a alertar. Quase 47% dos professores têm 50 ou mais anos de idade, apenas 1,3% estão abaixo da faixa etária dos 30 anos. Na última década, o sistema perdeu mais de 30 mil docentes e os indicadores mais recentes não são animadores, entre os quais está a diminuição de candidatos nos cursos ligados ao ensino e à educação.

A maioria dos professores ao serviço está concentrada nos primeiros quatro escalões da carreira, apenas 0,02% estão no topo, e o terceiro escalão é o que têm mais professores. As estimativas indicam que mais de metade dos professores do quadro, mais concretamente 57,8% estarão aposentados devido à idade em 2030.

Menos nascimentos, famílias mais pequenas, menos alunos nas escolas. Em 2008/2009, havia 2 435 665 crianças, jovens e adultos a frequentar o sistema educativo nacional. Dez anos depois, em 2017/2018, há menos 429 186 matriculados, uma quebra de 18%. Todos os níveis de ensino apresentam uma variação negativa, mas que se torna mais relevante nos ensinos Básico e Secundário com quebras de frequência de -23% e -19,5% de alunos, respetivamente, e na educação pré-escolar com -12,5% de crianças.

A taxa de pré-escolarização, de crianças entre os três e os cinco anos, aumentou 7,8 pontos percentuais, situando-se nos 90,1% em 2017/2018. As maiores subidas ocorrem aos três e quatro anos de idade dos mais pequenos. A Área Metropolitana de Lisboa permanece como a região do país onde se observam os valores mais baixos da taxa de pré-escolarização aos três, quatro e cinco anos - 70,7%, 85,0% e 89,2%, respetivamente. No Algarve e nos Açores, 99% das crianças de cinco anos frequentam a educação pré-escolar.

Em 2017/2018, o sistema público de educação é frequentado por 81% dos matriculados em todos os níveis de ensino. O setor privado assume maior expressão na educação pré-escolar com 47% das crianças inscritas. A maioria das crianças, jovens e adultos, ou seja, 85% dos que se encontram no sistema educativo concentram-se em três regiões: Norte com 33,6%, Área Metropolitana de Lisboa com 31,3% e Centro com 20,2%.

No ano letivo 2017/2018, há 107 066 jovens que concluem o Ensino Básico: 97 777 o ensino regular e 9 289 outras modalidades para jovens (7 486 em cursos de educação e formação, 1 294 em percursos curriculares alternativos, 399 em cursos artísticos especializados em regime integrado e 10 em cursos profissionais). Em relação aos resultados do Ensino Básico, em 2017/2018, nas disciplinas sujeitas a prova final, verifica-se uma maior concentração nas classificações positivas em Português e uma maior proporção no nível 3, com 61,5% na classificação de frequência, 42,1% na classificação da prova final e 61,7% na classificação interna final. A Matemática regista-se uma maior proporção no nível 3 na classificação de frequência e na classificação interna final, com 37,1% e 36,6%, respetivamente. Em relação à classificação da prova final, a maior percentagem observa-se no nível 2 com 30,9%.

O número de jovens a frequentar o Ensino Secundário cresceu de forma contínua até 2014, ano em que alcançou o valor máximo da década com 363 245 alunos. Depois começou a baixar. Ao longo da década, verifica-se que os jovens continuam a optar sobretudo por cursos científico-humanísticos, oferta educativa vocacionada para o prosseguimento de estudos de nível superior: 58,3% em 2018 comparativamente aos 59,3% em 2009.

No Secundário, a taxa de retenção e desistência é de 15,7%. No entanto, quando se analisa por anos de escolaridade, o valor não é uniforme: 13,8% no 10.º ano, 8,2% no 11.º ano e 25,6% no 12.º ano. Há mais chumbos no último ano do Secundário. Em 2017/2018, concluíram o Secundário 78 901 jovens: 47 312 em cursos científico-humanísticos, 26 931 em cursos profissionais, 2010 em cursos de aprendizagem, 1 154 em cursos tecnológicos, 734 em artístico especializado em regime integrado, 515 em cursos vocacionais e 245 em cursos de educação e formação. No nosso país, e pela primeira vez, a idade média dos diplomados no Secundário é de 19,8 anos no ensino geral, acima da média da União Europeia e da OCDE (18,5 anos), e de 20,1 anos no ensino vocacional, abaixo da média europeia e da OCDE (20,6 e 21,3 anos, respetivamente).

Nesta década, há um acréscimo de 5 540 dos alunos inscritos no Ensino Superior e um decréscimo de 5 789 no ensino politécnico. O ano letivo 2010/2011 foi o que registou o maior número de inscritos, 396 268 ao todo. Nos anos seguintes, verifica-se uma diminuição contínua e em 2014/2015 assinala-se o valor mais baixo (349 658). A partir daí, tem-se verificado um aumento progressivo de inscritos. Em 2017/2018, mantém-se a tendência de uma maior representatividade dos alunos do sexo feminino com 53,8%.

O número de inscritos em estabelecimentos de Ensino Superior público supera largamente os matriculados no privado. A variação de inscritos entre 2009 e 2018, tanto no ensino universitário como no ensino politécnico, é positiva no caso do ensino público (19 734 e 6317, respetivamente) e negativa, em ambos os subsistemas, no caso do ensino privado (-14 194 e -12 106, respetivamente).

Quanto aos adultos matriculados em ofertas formativas de nível básico, entre 2009 e 2018, constata-se um decréscimo global de cerca de 80%. O ano de 2014 é o que regista menos adultos inscritos. A partir de 2015, inverte-se a tendência, mas de forma pouco expressiva. Em 2017/2018, as modalidades formativas com mais adultos inscritos são os cursos de educação e formação de adultos com 58%, seguidos dos processos de reconhecimento e validação de competências com 38,5%.

Adaptado de Educare

 

User Rating: 0 / 5

Ensinar e Aprender com o Twitter - guia para educadores

twitter ensinar aprender

Tem o objetivo principal de ajudar os educadores a capacitar as gerações mais jovens com competências de alfabetização mediática, permitindo que façam as perguntas certas sobre conteúdos que encontram na internet e analisem criticamente as notícias e informações com as quais se envolvem. O guia também contém dicas para educadores e pais que desejam descobrir os benefícios do uso do Twitter como uma ferramenta de aprendizagem na sala de aula ou em casa, oferecendo uma combinação útil de teoria, planos de aula e estudos de caso.

 

User Rating: 0 / 5

Supervisão: Modelos e processos

21625821 lHD1N

A Supervisão tem conquistado espaço em vários campos profissionais ainda que esteja longe de se afirmar como algo acolhido benéfica e construtivamente em alguns dos campos de trabalho com forte importância no desenvolvimento humano. É conhecida como uma função que apresenta uma faceta expressa em dilemas, tais como: necessária/ desnecessária, abundância/ carência, acarinhada/ desprezada, próxima/longínqua e útil/ inútil. Há um apelo constante à importância da Supervisão sendo frequentemente apontada a sua ineficiência ainda que exigida numa sucessão de documentos que se distribuem por diferentes áreas da vida em sociedade.

User Rating: 0 / 5

Retrato de Portugal na Europa 2018

mini capa Europa2018 01PT

Resumo de indicadores sobre diversas áreas da sociedade que comparam Portugal com os outros países membros da União Europeia (clique na imagem).

Portugal tem uma taxa de atividade de 58,9% ligeiramente acima da média da UE (57%) e, no total dos 28 Estados membros, é o país que tem um nível de escolaridade dos empregadores mais baixo. Na prática, por cada cem patrões, metade não chegou a completar o ensino superior ou secundário. O cenário repete-se nos empregados: por cada cem pessoas que trabalham por conta de outrem, 42,2 não têm formação secundária ou superior. Portugal é mesmo, entre os 28, o país onde a educação é mais baixa, logo seguido por Malta, Espanha e Itália (em ambos os indicadores).

Portugal destaca-se entre os que trabalham mais horas: 35,8 horas semanais, o quinto maior valor da UE e dez horas a mais do que as que se trabalha por semana na Alemanha, o país com menor carga laboral entre os 28.

No que se refere a salários, os portugueses não ficam melhor no retrato: estão em 21.º lugar. A remuneração média é de 25 526 PPS (poder de compra padrão, unidade artificial que pesa quanto dinheiro permite comprar a mesma quantidade de bens e serviços em todos os países), quando a média da Europa é de 37 mil PPS. No Luxemburgo, o país onde os trabalhadores recebem melhor, são 56 900 PPS.

Há ainda outro tema em que Portugal se destaca, quando se alarga o espectro para fora do mercado laboral: a esperança média de vida, que é por cá superior à média europeia. Também é boa notícia o facto de sermos o país com a sétima menor taxa de mortalidade infantil, o que é fruto de um grande investimento em saúde ao longo dos anos. Temos ainda o quarto maior consumo privado em percentagem do PIB.

No que respeita ao assunto do momento, o ambiente, a fotografia também nos favorece, com um valor inferior à média europeia no que respeita ao número de emissões de gases com efeito estufa.

Dez curiosidades (nem sempre boas) de Portugal na Europa
1. É o 3.º país com menor percentagem de jovens no total da sua população residente.
2. É, com a Alemanha, o país onde a fatura da eletricidade é mais pesada.
3. Vive-se em média mais ano e meio do que na média europeia - 81,6 anos.
4. É o 7.º país com menor taxa de mortalidade infantil.
5. Está em quinto lugar entre os países com maior desigualdade na distribuição dos rendimentos.
6. É o 7.º país com maior abandono escolar.
7. É o país com maior percentagem de trabalhadores sem ensino secundário.
8. É o 3.º país com maior percentagem de trabalhadores com contrato de trabalho temporário.
9. É o 3.º país com maior dívida das administrações públicas.
10. É o terceiro país da UE com menos empresas com um website.

FONTE: Dinheiro Vivo

 

User Rating: 0 / 5

Aprender a partir da curiosidade - bases biológicas da curiosidade

21624316 uf1to

Quando falamos em curiosidade é recomendável pensá-la como uma faca de dois gumes. O mesmo se aplica para o fenómeno da descoberta e da aprendizagem. A História da Ciência mostra que o seu curso foi basicamente desenhado a partir da curiosidade dos seus protagonistas. Isaac Newton revolucionou a Física quando demonstrou interesse sobre um fenómeno observado: a queda de uma maçã. A falta de resposta aliada a sua curiosidade sobre o mundo, motivou-o a procurar resposta para a sua questão, essa que hoje conhecemos como Teoria da Gravidade. Outro exemplo: a paixão e o interesse pelos besouros e outros animais conduziu Charles Darwin a uma das aventuras mais revolucionária dos últimos tempos, que modificou por completo a forma como vemos a origem e a evolução da vida na Terra. O próprio Einstein disse uma vez: “Eu não tenho nenhum talento especial: sou apenas apaixonadamente curioso”. Já o lado perigoso da curiosidade reside na sua associação com comportamentos exploratórios exagerados e com consequências nefastas [...].

User Rating: 0 / 5

Pedagogias Inovadoras 2019

inova pedagogica 2019

A versão em português dos Relatórios de Inovação da Open University, Reino Unido. "Pedagogias Inovadoras 2019: Explorar novas formas de ensino, aprendizagem e avaliação, para orientar os professores e os responsáveis pela educação".

  • Aprender brincando
  • Motivar e envolver os alunos
  • Aprender com robôs
  • Ajudar os professores a libertar tempo para ensinar
  • Descolonização da aprendizagem
  • Mudar perspetivas e criar oportunidades
  • Aprendizagem baseada em drones
  • Ativar e enriquecer a exploração de espaços físicos
  • Aprendizagem através do encantamento
  • Despertar curiosidade, a investigação e a descoberta
  • Aprendizagem ativa
  • Encontrar soluções para aplicar no dia-a-dia
  • Estúdios virtuais
  • Pólo de atividade em que os alunos desenvolvem processos criativos
  • Aprendizagem situada
  • O local como estímulo para a aprendizagem
  • Tornar o pensamento visível
  • Abrir janelas na aprendizagem do aluno
  • Raízes de empatia
  • Aprendizagem emocional e social

 

Click to listen highlighted text! Powered By GSpeech